Ao utilizar os nossos serviços, concorda com a nossa utilização de cookies. Saiba mais.
Pesquisa avançada

Ouro e Cinza | de Paulo Varela Gomes
( 232092802)

Negócio terminado
Outros negócios do vendedor
Corrida Para a Morte | de Bill Knox
Corrida Para a Morte | de Bill Knox
€ 0,70
Casamento Frustrado
Casamento Frustrado
€ 0,95
Momento Decisivo | de Juan Carlos Aranda
Momento Decisivo | de Juan Carlos Aranda
€ 0,75
Adorável Fantasma | de Virginia Margin
Adorável Fantasma | de Virginia Margin
€ 0,50
Descrição
A todos os clientes: Por incompetência do Coisas, foram perdidas inúmeras imagens dos anúncios que não têm como repor. Tentarei ao longo do tempo ir actualizando todos os anúncios, repondo as imagens. Caso tenham interesse em algum artigo, não hesitem em pedir as fotografias dos mesmos. Da minha parte, peço desculpa pelo incómodo causado. Já que até agora, o Coisas não o pediu ao seus utilizadores

Detalhes da Obra

Título:
Ouro e Cinza

Crónicas 2002-2012


Autoria:
Paulo Varela Gomes


Detalhes do Artigo

Estado:
Usado / Como novo

Capa:
Mole

Editora:
Tinta-da-China

Colecção:
-

Edição:
-

Ano de edição:
2016

Páginas:
256

Idioma:
Português

ISBN:
978-989-671-223-5


Sinopse

Literárias, inteligentes, viscerais, as crónicas de Paulo Varela Gomes versam sobre Bichos | Estética | Este país | Índia | O campo | O tempo

«São acerca de quê, estas páginas? Não sei como responder a esta questão. Sentimentos, sítios, ideias, objectos, imagens, climas, bichos, plantas.
Escrevi crónicas regulares para jornais e revistas durante trinta anos, desde 1984. Foram milhares e milhares de páginas. Habituei-me ao formato limitado, entre quinhentas e mil palavras por texto, mais coisa, menos coisa, e reparo hoje que, desde as primeiras crónicas, no "Blitz" e no "Jornal de Letras", encontrei uma certa facilidade nesse formato. O facto de serem poucas as palavras nunca evitou que dissesse asneiras, mas teve a grande vantagem de impedir que fossem muito graves. Por outro lado, poucas palavras implicam palavras certas. Aprendi a escolhê-las com cuidado.
Colaborei com o "Público" desde que este jornal apareceu, em 1990. Escrevi textos de variados géneros e, entre 2007 e 2013, crónicas regulares que se distribuíram por três séries: "Cartas de Cá" (mais de oitenta), "Cartas do Interior" (mais de cem) e "Cartas de Ver" (cerca de cinquenta). Foram muitas semanas e muita vida, muito ouro e muita cinza. Seleccionei para este livro algumas crónicas das duas primeiras séries, aquelas que ainda hoje me parecem bem, conjuntamente com alguns artigos mais longos, que saíram tanto no "Público" como em outras publicações. Espero que os leitores, tanto os que já conhecem estes textos como aqueles que nunca os leram, gostem da variedade do mundo observada em poucas palavras.»
—PVG
Excerto
«É azar meu ter vivido o fim do tempo antigo em Portugal e ter vindo para a Índia viver tudo isso outra vez. Nasci tarde ou cedo demais. Entrei na adolescência em 1970, quando a vila onde passei a infância começava a ser levada pelo progresso. A obliteração da minha terra levou vinte anos. Em Goa, só neste último ano e meio, foi completamente transformado o caminho entre a minha casa e o sítio onde trabalho. Tudo muda de maneira muito mais brutal, no meio de extraordinária fealdade e muito sofrimento. Assisto agora aqui, em meia década, àquilo que sucedeu em Portugal durante 40 anos. Mas é isto, paradoxalmente, que me permite uma réstia de optimismo: Portugal demonstra que, ao fim de algum tempo, o passado terá sido completamente removido e então, finalmente, a paz poderá chegar. Veja-se o caso do Algarve. O Algarve antigo, o Algarve "verdadeiro" que existiu até à década de 1960, esse desapareceu para sempre, mas o Algarve tornou-se igual ao sul de Espanha ou da França, um "Mediterrâneo" genérico e turístico, limpo e certinho. Autorizo-me às vezes a esperança, apesar do horror que vejo na Índia em revolução. Espero que o mundo inteiro acabe por ficar igual, banal e normal(izado), melhor do que agora, melhor que o tumulto e a catástrofe da mudança em que tive o azar de viver toda a minha vida em Portugal e na Índia.»


Críticas de Imprensa

-

Envio e pagamento

Forma de pagamento

Pagamento Online
PayPalPayPal
Pagamento Offline
Transferência bancáriaTransferência bancária
Em caso de transferência bancária, certifique-se que o nome do titular da conta para onde vai transferir coincide com o nome do vendedor.

Envio

Envia para o estrangeiro:
Sim
Condições de envio:
Portes Grátis (vendedor paga custos de envio)
Envio:
-
Seguro:
-
Método de envio:
Correio normal
Prazo de Entrega
1 dia útil
Detalhes do envio e pagamento
Métodos de pagamento:
- Transferência Bancária
- PayPal

Métodos de envio:
- Correio normal (Gratuito)
- Correio registado (€1.75)

Envio é efectuado até 1 dia útil após pagamento recebido.

É aconselhável escolher método Correio registado, por ser mais seguro.
Em caso de extravio só nos responsabilizamos por este método de envio.

Para envios internacionais, favor contactar, afim de saber o valor dos portes.

Caso pretenda factura, favor pedir na mensagem após compra.
O vendedor assume total responsabilidade pelo conteúdo deste negócio
A todos os clientes: Por incompetência do Coisas, foram perdidas inúmeras imagens dos anúncios que não têm como repor. Tentarei ao longo do tempo ir actualizando todos os anúncios, repondo as imagens. Caso tenham interesse em algum artigo, não hesitem em pedir as fotografias dos mesmos. Da minha parte, peço desculpa pelo incómodo causado. Já que até agora, o Coisas não o pediu ao seus utilizadores

Detalhes da Obra

Título:
Ouro e Cinza

Crónicas 2002-2012


Autoria:
Paulo Varela Gomes


Detalhes do Artigo

Estado:
Usado / Como novo

Capa:
Mole

Editora:
Tinta-da-China

Colecção:
-

Edição:
-

Ano de edição:
2016

Páginas:
256

Idioma:
Português

ISBN:
978-989-671-223-5


Sinopse

Literárias, inteligentes, viscerais, as crónicas de Paulo Varela Gomes versam sobre Bichos | Estética | Este país | Índia | O campo | O tempo

«São acerca de quê, estas páginas? Não sei como responder a esta questão. Sentimentos, sítios, ideias, objectos, imagens, climas, bichos, plantas.
Escrevi crónicas regulares para jornais e revistas durante trinta anos, desde 1984. Foram milhares e milhares de páginas. Habituei-me ao formato limitado, entre quinhentas e mil palavras por texto, mais coisa, menos coisa, e reparo hoje que, desde as primeiras crónicas, no "Blitz" e no "Jornal de Letras", encontrei uma certa facilidade nesse formato. O facto de serem poucas as palavras nunca evitou que dissesse asneiras, mas teve a grande vantagem de impedir que fossem muito graves. Por outro lado, poucas palavras implicam palavras certas. Aprendi a escolhê-las com cuidado.
Colaborei com o "Público" desde que este jornal apareceu, em 1990. Escrevi textos de variados géneros e, entre 2007 e 2013, crónicas regulares que se distribuíram por três séries: "Cartas de Cá" (mais de oitenta), "Cartas do Interior" (mais de cem) e "Cartas de Ver" (cerca de cinquenta). Foram muitas semanas e muita vida, muito ouro e muita cinza. Seleccionei para este livro algumas crónicas das duas primeiras séries, aquelas que ainda hoje me parecem bem, conjuntamente com alguns artigos mais longos, que saíram tanto no "Público" como em outras publicações. Espero que os leitores, tanto os que já conhecem estes textos como aqueles que nunca os leram, gostem da variedade do mundo observada em poucas palavras.»
—PVG
Excerto
«É azar meu ter vivido o fim do tempo antigo em Portugal e ter vindo para a Índia viver tudo isso outra vez. Nasci tarde ou cedo demais. Entrei na adolescência em 1970, quando a vila onde passei a infância começava a ser levada pelo progresso. A obliteração da minha terra levou vinte anos. Em Goa, só neste último ano e meio, foi completamente transformado o caminho entre a minha casa e o sítio onde trabalho. Tudo muda de maneira muito mais brutal, no meio de extraordinária fealdade e muito sofrimento. Assisto agora aqui, em meia década, àquilo que sucedeu em Portugal durante 40 anos. Mas é isto, paradoxalmente, que me permite uma réstia de optimismo: Portugal demonstra que, ao fim de algum tempo, o passado terá sido completamente removido e então, finalmente, a paz poderá chegar. Veja-se o caso do Algarve. O Algarve antigo, o Algarve "verdadeiro" que existiu até à década de 1960, esse desapareceu para sempre, mas o Algarve tornou-se igual ao sul de Espanha ou da França, um "Mediterrâneo" genérico e turístico, limpo e certinho. Autorizo-me às vezes a esperança, apesar do horror que vejo na Índia em revolução. Espero que o mundo inteiro acabe por ficar igual, banal e normal(izado), melhor do que agora, melhor que o tumulto e a catástrofe da mudança em que tive o azar de viver toda a minha vida em Portugal e na Índia.»


Críticas de Imprensa

-

Forma de pagamento

Pagamento Online
PayPalPayPal
Pagamento Offline
Transferência bancáriaTransferência bancária
Em caso de transferência bancária, certifique-se que o nome do titular da conta para onde vai transferir coincide com o nome do vendedor.

Envio

Envia para o estrangeiro:
Sim
Condições de envio:
Portes Grátis (vendedor paga custos de envio)
Envio:
-
Seguro:
-
Método de envio:
Correio normal
Prazo de Entrega
1 dia útil
Detalhes do envio e pagamento
Métodos de pagamento:
- Transferência Bancária
- PayPal

Métodos de envio:
- Correio normal (Gratuito)
- Correio registado (€1.75)

Envio é efectuado até 1 dia útil após pagamento recebido.

É aconselhável escolher método Correio registado, por ser mais seguro.
Em caso de extravio só nos responsabilizamos por este método de envio.

Para envios internacionais, favor contactar, afim de saber o valor dos portes.

Caso pretenda factura, favor pedir na mensagem após compra.
Adicionar vendedor à lista de favoritosTem de fazer login antes de poder adicionar um vendedor à sua lista de favoritos
Outros negócios do vendedor
Voltar à Loja