Ao utilizar os nossos serviços, concorda com a nossa utilização de cookies. Saiba mais.
Pesquisa avançada

POESIA Manuela AMARAL Mulher Repetida 1974
( 227840972)

Negócio terminado
Descrição

Detalhes do Artigo

Condição de utilização:
Usado
Título original do livro:
Mulher Repetida
Autor(es):
Manuela Amaral
Editora:
Edição de Autor
Nº da Edição:
1ª Edição
Ano de edição:
anterior a 1980

Idioma:
Português

Formato:
Normal

Nº de Páginas:
77

Tipo de capa:
Capa mole



[9685]

AMARAL, Manuela - Mulher Repetida. Lisboa: Edição de Autor, 1974. - 77-(3) págs.

Usado, em bom estado.

Poetisa. Cursou Filosofia na Faculdade de Letras de Lisboa, licenciou-se em Direito em 1978. Começou muito cedo a escrever e a publicar poesia, viajou pela Europa, residiu em Paris durante quatro anos e aí participou activamente na insurreição estudantil do Maio de 68.

A sua vida, como a sua obra, foi um permanente desafio a todas as regras. A partir dos anos sessenta verifica-se uma maior depuração nos seus livros, cujos temas centrais são o amor, predominantemente sáfico, o desejo e o prazer, a solidão, o orgulho e o estoicismo perante a infelicidade e perante a morte. Há, por vezes, nos seus versos uma ânsia de completude, de fusão dos corpos e dos espíritos, a que se sucede amiúde o desencanto.

Curiosamente, a sua pletora vital encontra formas de síntese para se exprimir poeticamente, ora cortando a direito pela confissão, que grita secamente, ora detendo-se no embalo de uma fruição sensual exaltante, mas limitada pelo precário, pelo fugaz, pela imperfeição dos seres e da própria vida. A sua sede de unicidade, de absoluto, só encontra, por fim, o fel da existência. A sua obra equilibra-se assim entre o cântico dos sentidos e o cansaço, a desilusão. A ironia, muito presente nos seus poemas, pode tornar-se escárneo, quase blasfémia, logo após a celebração do instante perfeito.

Sem ter sido das vozes mais marcantes da sua geração, Manuela Amaral deixa, no entanto, na poesia portuguesa das últimas décadas um interessante rasto de rebeldia, de furor existencial e de libertação erótica. De livro em livro, embora possuisse, como artista, mais riqueza instintual do que senso crítico, a sua poesia foi-se aperfeiçoando, não raro atingindo singular beleza de conceitos e ritmos, desde Madrugadas, de 1957, e Fé Pagã, de 1961, mas sobretudo a partir de Hino Proibido, de 1967, até ao despojamento e o rigor de Esta Coisa Quase Vida, de 1993, texto de muito acerba auto-flagelação, à beira do desespero.

Posteriormente sairam ainda A Elegia do Corpo, em 1995; Em Nome do Nada, que tão bem a retrata, em 1996; e Amor no Feminino, talvez o seu livro mais transgressor, em 1997.

Merecem também referência e podem ser muito úteis a quem venha eventualmente a estudar a sua obra,Mais Alto de 1958; A História de Uma Noite, de 1963; A Cruz de Pau, de 1965, obras, tal como as outras, difusamente referenciais e por vezes abrasadas de paixão, geladas de desprezo ou escancaradas em riso.

in Dicionário Cronológico de Autores Portugueses, Vol. VI, Lisboa, 1999

As expedições são efectuadas num máximo de 2 dias úteis após confirmação do pagamento.

Não nos responsabilizamos por eventuais extravios em caso de expedição por correio normal.

Para compras de valor igual ou superior a €50.00 a entrega será gratuita, por correio registado.

Envio e pagamento

Forma de pagamento

Pagamento Online
PayPalPayPal
Pagamento Offline
Transferência bancáriaTransferência bancária
Em caso de transferência bancária, certifique-se que o nome do titular da conta para onde vai transferir coincide com o nome do vendedor.

Envio

Envia para o estrangeiro:
Sim
Condições de envio:
Comprador paga custos de envio
Envio:
€ 1,00
Seguro:
-
Método de envio:
Correio normal
Prazo de Entrega
2 dias úteis
O vendedor assume total responsabilidade pelo conteúdo deste negócio

Detalhes do Artigo

Condição de utilização:
Usado
Título original do livro:
Mulher Repetida
Autor(es):
Manuela Amaral
Editora:
Edição de Autor
Nº da Edição:
1ª Edição
Ano de edição:
anterior a 1980

Idioma:
Português

Formato:
Normal

Nº de Páginas:
77

Tipo de capa:
Capa mole



[9685]

AMARAL, Manuela - Mulher Repetida. Lisboa: Edição de Autor, 1974. - 77-(3) págs.

Usado, em bom estado.

Poetisa. Cursou Filosofia na Faculdade de Letras de Lisboa, licenciou-se em Direito em 1978. Começou muito cedo a escrever e a publicar poesia, viajou pela Europa, residiu em Paris durante quatro anos e aí participou activamente na insurreição estudantil do Maio de 68.

A sua vida, como a sua obra, foi um permanente desafio a todas as regras. A partir dos anos sessenta verifica-se uma maior depuração nos seus livros, cujos temas centrais são o amor, predominantemente sáfico, o desejo e o prazer, a solidão, o orgulho e o estoicismo perante a infelicidade e perante a morte. Há, por vezes, nos seus versos uma ânsia de completude, de fusão dos corpos e dos espíritos, a que se sucede amiúde o desencanto.

Curiosamente, a sua pletora vital encontra formas de síntese para se exprimir poeticamente, ora cortando a direito pela confissão, que grita secamente, ora detendo-se no embalo de uma fruição sensual exaltante, mas limitada pelo precário, pelo fugaz, pela imperfeição dos seres e da própria vida. A sua sede de unicidade, de absoluto, só encontra, por fim, o fel da existência. A sua obra equilibra-se assim entre o cântico dos sentidos e o cansaço, a desilusão. A ironia, muito presente nos seus poemas, pode tornar-se escárneo, quase blasfémia, logo após a celebração do instante perfeito.

Sem ter sido das vozes mais marcantes da sua geração, Manuela Amaral deixa, no entanto, na poesia portuguesa das últimas décadas um interessante rasto de rebeldia, de furor existencial e de libertação erótica. De livro em livro, embora possuisse, como artista, mais riqueza instintual do que senso crítico, a sua poesia foi-se aperfeiçoando, não raro atingindo singular beleza de conceitos e ritmos, desde Madrugadas, de 1957, e Fé Pagã, de 1961, mas sobretudo a partir de Hino Proibido, de 1967, até ao despojamento e o rigor de Esta Coisa Quase Vida, de 1993, texto de muito acerba auto-flagelação, à beira do desespero.

Posteriormente sairam ainda A Elegia do Corpo, em 1995; Em Nome do Nada, que tão bem a retrata, em 1996; e Amor no Feminino, talvez o seu livro mais transgressor, em 1997.

Merecem também referência e podem ser muito úteis a quem venha eventualmente a estudar a sua obra,Mais Alto de 1958; A História de Uma Noite, de 1963; A Cruz de Pau, de 1965, obras, tal como as outras, difusamente referenciais e por vezes abrasadas de paixão, geladas de desprezo ou escancaradas em riso.

in Dicionário Cronológico de Autores Portugueses, Vol. VI, Lisboa, 1999

As expedições são efectuadas num máximo de 2 dias úteis após confirmação do pagamento.

Não nos responsabilizamos por eventuais extravios em caso de expedição por correio normal.

Para compras de valor igual ou superior a €50.00 a entrega será gratuita, por correio registado.

Forma de pagamento

Pagamento Online
PayPalPayPal
Pagamento Offline
Transferência bancáriaTransferência bancária
Em caso de transferência bancária, certifique-se que o nome do titular da conta para onde vai transferir coincide com o nome do vendedor.

Envio

Envia para o estrangeiro:
Sim
Condições de envio:
Comprador paga custos de envio
Envio:
€ 1,00
Seguro:
-
Método de envio:
Correio normal
Prazo de Entrega
2 dias úteis
Adicionar vendedor à lista de favoritosTem de fazer login antes de poder adicionar um vendedor à sua lista de favoritos
Outros negócios do vendedor
Voltar à Loja